Facebook quer hospedar sites de notícias

20150316141010_660_420

O Facebook, já não bastasse as proporções que vem tomando, agora quer passar a hospedar conteúdo de organizações de notícias e mídia, segundo o The New York Times.

A empresa estaria em negociações com sites de conteúdo para postagem direta na rede social. Isso porque quando o conteúdo é postado por um “terceiro”, o usuário leva mais tempo para visualizar o que está sendo mostrado, e isso aumenta ainda mais quando o acesso é feito pelo celular.

Nesse novo formato de hospedagem própria, o usuário não precisaria clicar em um conteúdo para acessá-lo. E os primeiros envolvidos seriam o próprio NYT, Buzzfeed, National Geographic e o The Huffington Post.

O modelo também poderia fazer com que uma notícia, por exemplo, obtivesse mais visualizações, comentários e opiniões, já que teria maior propagação na rede social, assim como acontece com os vídeos postados diretamente no Facebook.

 

Fonte: Olhar Digital

A discussão sobre qual navegador de internet é o melhor, mais rápido, estável e leve é tão complicada quanto conversar sobre religião e futebol. Apesar de ser mais facilmente mensurável, a qualidade de um browser também é influenciada por fatores menos “palpáveis” e que geram bastante polêmica.

No entanto, um ocorrido envolvendo esse assunto tem chamado a nossa atenção e viemos trazer essa discussão para os leitores do TecMundo: afinal, por que tantas pessoas estão abandonando o Chrome e voltado para o Firefox?

02133001306652

O que os números mostram?

Não há como negar: o Google Chrome ainda impera quando o assunto são os navegadores, sejam eles para desktop (1º lugar) ou dispositivos móveis (2º lugar). O Internet Explorer também está em uma posição de respeito, mas ele já tem “prazo de validade” e seu uso está muito vinculado à utilização do Windows.

Porém, há fatores que indicam que esse quadro esta prestes a mudar e que quem provavelmente vai sair por “cima da carne seca” é o Firefox. Quer entender o porquê? Então confira os nossos argumentos.

02133040088653

1. O Firefox é open source

Um argumento que pode parecer trivial para alguns, na verdade, esconde uma vantagem muito importante para o Firefox: a agilidade na correção de bugs e falhas. A Mozilla Foundation, empresa que mantém o Firefox, conserva o browser com o seu código aberto e disponível para todos – apesar de usar a própria licença para isso, a Mozilla Public License (MLP).

Dessa forma, o processo de encontrar e corrigir os bugs do programa acontece de uma maneira mais colaborativa e rápida do que no Chrome. O navegador da Google, entretanto, também mantém parte de seu código aberto, mas o resultado é um browser que não é utilizado pela massa: o Chromium. O software da empresa que a maioria usa possui alguns aspectos proprietários – como uma versão do Adobe Flash Player – que o tornam “fechado” diante dos que querem colaborar e solucionar os seus problemas.

02133058371654

2. O Firefox tem mais (e melhores) extensões

Com o tempo, o Firefox praticamente virou sinônimo de boas extensões e ainda mantém esse posto com certa folga. O fato de ser um software com código-aberto provavelmente contribuiu para isso, o que o tornou um ótimo navegador para quem procura melhorar a produtividade.

As bibliotecas de ambos são gigantescas, mas o Firefox se sai melhor porque as extensões costumam funcionar melhor para ele. Afinal, muitas foram simplesmente “portadas” para o navegador da Google. E o poder das extensões é incontestável: quem usa não consegue viver sem elas.

02133138105657

3. O Firefox é mais rápido

A edição alemã do site ZDNet realizou um teste de benchmark envolvendo as versões mais recentes dos dois navegadores: o Chrome 40 e o Firefox 36. A avaliação praticamente terminou empatada, mas o destaque vai para o software da Mozilla por ter se mostrado mais rápido em testes de renome, como o Futuremark Peacekeeper.

Porém, apesar dos resultados pouco conclusivos, é na prática que muitos enxergam certa superioridade por parte do Firefox. O argumento é simples de entender e comprovar: o Chrome utiliza muitos recursos da máquina, o que acaba tornando a execução do software bastante lenta.

02133209866658

4. O Firefox possui recursos interessantes

Nessa categoria, o destaque vai para a nova ferramenta de teleconferências adicionada na versão 35 do navegador. O Firefox Hello é um sistema prático para a realização de chamadas em vídeo sem a necessidade de um plugin, extensão ou qualquer tranqueira adicional ao programa.

Além disso, não são apenas os usuários convencionais que enxergam vantagens no Firefox. O Tor, pacote de ferramentas para aqueles que desejam segurança e anonimato na internet, tem como base o navegador da Mozilla. Também vale lembrar que até mesmo o Oculus Rift possui suporte ao Firefox.

02133236901659

Argumentos polêmicos

Há, ainda, alguns argumentos polêmicos que acabam fazendo com que os usuários decidam entre um navegador e outro. O gosto ou simpatia provavelmente é o mais complicado de lidar. Um amante da Google/Mozilla poderia ler e ouvir milhares de argumentos contrários à solução da empresa, mas mesmo assim não mudaria de ideia.

A facilidade de uso é outro ponto controverso. Os dois softwares são bastante intuitivos e oferecem uma navegação bastante simples. Portanto, decidir entre ambos nesse quesito acaba se tornando uma questão de detalhes, como a posição de um botão ou a apresentação da interface.

……

Qual é o navegador que você utiliza em seu computador e dispositivo móvel? Quais são os seus argumentos para defender essa escolha? Concorda com o que foi apresentado aqui? Convidamos os leitores a entrarem nessa discussão saudável para tentarmos descobrir de uma vez por todas: qual é o melhor navegador? Chrome ou Firefox?

 

Fonte: TecMundo

Riven Engenharia

Branding

Explorando a ideia da eletrosfera em uma representação orgânica do movimento de elétrons, a namBBU fez o novo logotipo e a papelaria da Riven Engenharia, empresa especializada na elaboração de obras e projetos elétricos, laudos técnicos e estudos de eficiência energética.

  • Image One
  • Image Two
  • Image Three
  • Image Four
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4

whatsapp web telefone ligacao nambbuA tão especulada função de ligações chegou ao WhatsApp brasileiro. Desde o fim da última semana usuários locais têm relatado que a novidade já aparece em seus smartphones, mas por ora apenas quem usa Android consegue vê-la.

Embora algumas pessoas tenham visto a atualização surgir de forma espontânea, a maioria dos relatos vem de gente que baixou a partir da versão 2.11.552 do WhatsApp no site do aplicativo. E é preciso que algum contato que já tenha recebido a novidade te ligue para que o recurso passe a funcionar no seu aparelho.

Essa versão acrescenta uma aba “ligações” à página principal do app, assim como um ícone correspondente. A qualidade da rede influencia na qualidade da chamada; assim, ligações feitas em conexão Wi-Fi fluem bem, os problemas começam quando o usuário passa a depender do 3G.

Ainda não há informações sobre quando a novidade estará disponível a todos os usuários.

 

Fonte: Olhar Digital

titanaerospace nambbu google drones internet 3g wifi operadorasSundar Pichai, vice-presidente do Google, confirmou hoje na feira Mobile World Congress que a empresa se tornará uma operadora celular nos próximos meses, em um experimento limitado nos EUA. Eles também pretendem usar os drones da Titan Aerospace – que o Google comprou no ano passado – para oferecer internet em áreas mais remotas.

Rumores diziam que o Google estaria fechando acordos com as operadoras americanas Sprint e T-Mobile. Pichai não mencionou parcerias, mas deu alguns detalhes de como a empresa será uma MVNO, ou operadora móvel virtual. Do TechCrunch:

O núcleo do Android e de tudo o que fazemos é tomar uma abordagem ecossistêmica e [a rede celular teria] os mesmos atributos… Queremos fazer experimentos dessa forma. Não temos a intenção de ser uma operadora em grande escala. Na verdade, estamos trabalhando com operadoras parceiras. Vamos anunciar algo mais concreto nos próximos meses.

Pichai ainda diz que o Google está “pensando em como o Wi-Fi e redes de celular podem trabalhar juntos, e como torná-los mais integrados”.

O executivo também mencionou que o Projeto Titan “dará seus primeiros grandes passos nos próximos meses”. Pichai diz que os drones serão “torres de celular no céu”.

A Titan Aerospace faz drones de altitude elevada que funcionam por energia solar; ela foi adquirida em abril de 2014. A ideia é que os drones complementem o Projeto Loon, que distribui internet em áreas remotas e países subdesenvolvidos – ele foi testado no Brasil, inclusive.

Como explica o Engadget, os projetos Loon e Titan funcionarão em conjunto graças a algoritmos bem espertos. Os balões transmitirão internet para grandes áreas, enquanto os drones podem levar conectividade a áreas específicas que realmente precisem dela, como zonas de desastre.

Esperamos por mais novidades na conferência Google I/O, que acontece em maio.

 

Fonte: Gizmodo