Nova versão do HTTP deixa navegação mais esperta

Navegador-web-http-2-nambbu-doutor-infra-dr-infraQuando você requisita uma página ou arquivo de um servidor, seu navegador faz esse pedido usando HTTP, e o servidor responde usando HTTP também. Este é um dos padrões mais fundamentais na internet; agora, depois de 16 anos, ele finalmente ganhou uma nova versão.

O HTTP/2 será a primeira atualização para o Protocolo de Transferência de Hipertexto desde 1999, quando foi adotado o HTTP 1.1. E ele trará alguns grandes benefícios para a web.

Vantagens

Ele deve fazer as páginas carregarem mais rápido, garantir que conexões durem mais tempo, e facilitar que servidores enviem dados para o seu cache, para seu computador não ter que baixá-los depois.

Ele também terá suporte a APIs que expandem sua funcionalidade, vai oferecer mais espaço para criptografia, entre outros. Apesar das mudanças, os endereços da web continuarão usando “http://”.

E como fica o HTTPS? Na verdade, o “S” apenas significa que o HTTP comum está sendo executado através de um protocolo seguro (TLS ou SSL). O HTTP/2 também fará o mesmo para fornecer uma conexão segura. Na verdade, Firefox e Chrome provavelmente só darão suporte a ele usando TLS.

O HTTP/2 também deve resolver um problema que aflige os desenvolvedores há muito tempo. Atualmente, múltiplas solicitações de HTTP deixam os servidores lentos, impedindo que as páginas carreguem; a nova norma terá suporte a multiplexação, de modo que várias solicitações podem ser atendidas simultaneamente.

Adoção

A nova norma foi finalizada ainda hoje, de acordo com Mark Nottingham, presidente do Grupo de Trabalho para HTTP da IETF (Força-Tarefa de Engenharia da Internet). Ela vai passar por algumas etapas editoriais antes de ser publicada como um novo padrão a ser usado em navegadores e serviços da web.

O HTTP/2 foi baseado no protocolo SPDY, criado pelo Google em 2009, que carrega páginas da web 50% mais rápido que o HTTP comum. Ele foi implementado em sites como Google e Twitter, e já é suportado por todos os principais navegadores.

O Google anunciou recentemente que irá mudar para HTTP/2 o mais rápido possível, a fim de acelerar a navegação no Chrome; outras empresas devem fazer o mesmo. Desenvolvedores interessados em testar o HTTP/2 podem visitar este link para fazer isso; enquanto nós teremos que esperar até que ele seja embutido nos serviços que usamos.

 

Fonte: Gizmodo Brasil

 

Almeida Prado Advocacia

Website institucional

A namBBU fez a criação do novo website do Almeida Prado Advocacia, escritório que presta assistência jurídica na área de propriedade intelectual para marcas, patentes, desenho industrial e direito autoral. O projeto foi construído com WordPress, HTML5, CCS3 e uma forte estratégia SEO para rankeamento no Google.

  • Image One
  • Image Two
  • Image Three
  • Image Four
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4

4Insiders

Blog

A agência namBBU, em parceria com o designer Eric Rodrigues, produziu o novo blog do 4insiders, um grupo de livres pensadores que discutem arquitetura, gastronomia, política, moda, viagem, e muito mais.

  • Image One
  • Image Two
  • Image Three
  • Image Four
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4

facebook-lite-rede-social-cria-versao-mais-leve-de-aplicativo-para-smartphones-simples-nambbuRecentemente, o Facebook lançou uma versão mais leve de seu aplicativo para sistema operacional Android. Chamado de Facebook Lite, o programinha é indicado para celulares antigos, de entrada e para quem não tem acesso a uma boa conexão de internet móvel.

Dotado de uma interface mais simplificada, o novo app tem apenas 252 KB e funciona em aparelhos a partir do Android 2.2. Ele também é super-rápido e tem integração com o Messenger, dispensando o segundo aplicativo e facilitando as conversas.

Porém, o Facebook Lite tem um grande problema: ele não está disponível de forma oficial para o Brasil. O aplicativo foi desenvolvido para mercados emergentes e pode ser usado preferencialmente, por padrão, em Bangladesh, Nepal, Nigéria, África do Sul, Sudão, Sri Lanka, Vietnã e Zimbábue.

Entretanto, é possível baixá-lo em seu celular já que está liberado na rede seu APK (Android Package), arquivo compilado que é usado para instalar programas no Android de forma paralela a Google Play.

Por isso, é importante ressaltar que a instalação pode gerar problemas no telefone ou contratempos. Nos testes do UOL Tecnologia, não houve problemas de qualquer origem. Entretanto, só realize a operação se tiver certeza do que irá fazer e se estiver ciente de que não se trata de um app para ser, nativamente, usado no Brasil.

Para usar o APK, primeiro o usuário deve habilitar diretamente no celular a instalação de programas que venham de fora da Google Play. Só depois, você deve baixar e executar o programa.

Veja mais: http://goo.gl/bA3IFi

 

Fonte: UOL Tecnologia